Alerta: Yaz, Yasmin e Elani são mais perigosos que outros anticoncepcionais

Alessandra Quedi 7 de agosto de 2016 0
Alerta: Yaz, Yasmin e Elani são mais perigosos que outros anticoncepcionais

Pílulas que contém drospirenone estão associadas a maiores chances de processos tromboembólicos arteriais ou venosos.

Os possíveis riscos das pílulas anticoncepcionais tem sido muito discutidos nos últimos dias nas redes sociais, com o surgimento de cada vez mais casos de trombose em usuárias de métodos contraceptivos hormonais. Mas já em 2012, a FDA, um órgão americano similar à Anvisa, divulgou um comunicado exigindo que os riscos de trombose ligados ao consumo de um dos componentes comuns de pílulas como Yaz, Yasmin e Elani Ciclo – o drospirenone – fossem destacados em sua bula.

Além das pílulas citadas, genéricos com a mesma fórmula também podem aumentar as chances de trombose ou de outros problemas cardiovasculares, como, por exemplo, trombose venosa profunda, embolia pulmonar, infarto do miocárdio; ou de acidente vascular cerebral.

A FDA analisou diversos estudos relacionados ao uso de pílulas que contém drospirenone e concluiu que essas fórmulas podem causar maior risco de trombose que outras pílulas, como, por exemplo, as que contém levonorgestrel.

Na bula atual do Yaz, você pode conferir as informações quanto aos riscos de seu uso, especificamente sobre a trombose. “O risco de ocorrência de tromboembolismo venoso é mais elevado durante o primeiro ano de uso”, informa o documento.

Na bula do Yasmin, é possível ver quais fatores aumentam os riscos do problema nas mulheres que utilizam esse método contraceptivo: “O risco de processos trombóticos/tromboembólicos arteriais ou venosos, ou de acidente vascular cerebral, aumenta com:

  • idade;
  • obesidade (índice de massa corpórea superior a 30 Kg/m2);
  • história familiar positiva (isto é, tromboembolismo venoso ou arterial detectado em um (a) irmão(ã)) ou em um dos progenitores em idade relativamente jovem). Se há suspeita ou conhecimento de predisposição hereditária, a usuária deve ser encaminhada a um especialista antes de decidir pelo uso de qualquer COC;
  • imobilização prolongada, cirurgia de grande porte, qualquer intervenção cirúrgica em membros inferiores ou trauma extenso. Nestes casos, é aconselhável descontinuar o uso do COC (em casos de cirurgia programada com pelo menos 4 semanas de antecedência) e não reiniciá-lo até duas semanas após o total restabelecimento;
  • tabagismo (com consumo elevado de cigarros e aumento da idade, o risco torna-se ainda maior, especialmente em mulheres com idade superior a 35 anos);
  • dislipoproteinemia;
  • hipertensão;
  • enxaqueca;
  • valvopatia;
  • fibrilação atrial.”

Em caso de dúvidas, o ideal é consultar seu ginecologista de confiança e não tomar decisões por conta própria. Você pode pedir que seu contraceptivo seja substituído por outra opção que não contenha drospirenone ou então avaliar a possibilidade de utilizar métodos não-hormonais.

Fonte: DICAS DE MULHER

 

Deixar uma Resposta »