Saiba quais são os perigos de um intestino preguiçoso

Alessandra Quedi 29 de dezembro de 2008 0

intes

 

 

 

Mau humor, barriga inchada e uma sensação de desconforto constante. Esses são apenas alguns dos sintomas causados pela constipação intestinal crônica, o nome científico dado ao popular intestino preguiçoso. O que a maioria das pessoas ainda desconhece são os males que tanto o descaso de quem já se acostumou a não usar o banheiro, quanto a automedicação – com o uso prolongado de laxantes – podem provocar à saúde.

“As pessoas acham normal ficar quatro ou cinco dias sem conseguir ir ao banheiro. Por isso, não procuram o especialista”, alerta Pedro Bertevello, gastroenterologista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. A atitude é arriscada. De acordo com o médico, o hábito de não evacuar adequadamente pode estar relacionado à presença de tumores intestinais e de inflamações no aparelho digestivo.

 

Além de poder esconder um problema mais grave, o descaso com essa “preguiça” intestinal ainda pode gerar outros incômodos, bem mais constrangedores. O médico Pedro Bertevello garante que, ao permanecerem estocadas por vários dias no corpo, as fezes ressecam e podem provocar hemorróidas e fissuras, por exemplo.

 

Para quem insiste em afirmar que não sente a mínima vontade de usar o banheiro, os especialistas alertam: “É preciso esquecer essa história de vontade e criar o hábito. Como tudo na vida, para isso também é necessário treinamento”, esclarece Eduardo Berger, gastroenterologista do Hospital Prof. Edmundo Vasconcelos.

 

Vida corrida e fatores emocionais também não deveriam ser usados como desculpa para deixar de atender a essa reação fisiológica – tão natural quanto comer e tomar banho todos os dias. Muitas pessoas por vergonha de usar um banheiro fora de casa ou pela tão criticada falta de tempo desenvolvem a mania de segurar essa necessidade orgânica. Resultado: o hábito gera uma perda do reflexo, até que, ao longo dos anos, a tal “vontade” finalmente desaparece.

 

Não é à toa que a maioria das queixas contra o mau funcionamento do intestino parte da ala feminina. “As mulheres têm mais pudores que os homens e foram acostumadas a ouvir desde pequenas que é muito feio fazer fora de casa”, lembra Carlos Pareja, gastroenterologista e professor da Unicamp. “O fato, portanto, não tem nada a ver com diferença fisiológica entre os sexos. É algo cultural somado aos maus hábitos alimentares”, completa.

 

Para funcionar como um reloginho

 

Uma forma eficiente para terminar com o desconforto depois de dias sem evacuar é recorrer aos laxantes. Mas aí está outra armadilha. “O uso prolongado desses remédios faz com que o intestino perca seu funcionamento habitual”, alerta Bertevello.

 

Os remédios são realmente eficientes, mas sua ação é tão intensa que provoca uma disenteria, ou seja, a eliminação excessiva de líquidos. “O medicamento desenvolve outro problema: a diarréia”, completa Berger.

 

Para reverter a situação e deixar o seu “reloginho intestinal” funcionando nos eixos, a solução é a conhecida, porém pouco seguida, cartilha da vida saudável. “É preciso ter tempo para se cuidar. Tem que haver uma rotina que inclua a dieta alimentar rica em fibras, práticas de exercícios físicos regularmente e a ingestão de bastante líquido”, explica Pedro Bertevello.

 

Confira, a seguir, dicas práticas para acertar os seus ponteiros:

 

– Coma de duas a três unidades por dia dos seguintes alimentos: castanha-do-pará, tâmara, nozes, damasco e ameixa preta. “Esta é uma forma prática de recuperar o hábito de evacuação”, garante Pareja.

 

– Aproveite a fruta até o bagaço, principalmente laranja e tangerina.

 

– Dê preferência ao pão preto, pão de centeio, arroz e macarrão integrais.

 

– Inclua as fibras na sua vida. Mas caso você não goste ou não ingira a quantidade suficiente por meio dos alimentos in natura – o recomendável é 20g por dia – recorra às fibras solúveis. “Ao contrário do que muitos pensam, esse tipo de suplemento não vicia. As fibras são um combustível para o bom funcionamento do intestino e precisam ser ingeridas diariamente”, explica Bertevello.

 

– Use as bactérias probióticas a seu favor. O nome pode parecer estranho, mas esses organismos vivos compõem vários iogurtes e outros derivados do leite. “Os probióticos são ativos que ajudam a manter a flora intestinal em ordem. Mas é preciso ter cuidado, pois algumas pessoas têm intolerância a lactobacilos, por exemplo, o que pode acarretar uma diarréia”, esclarece o gastroenterologista do Hospital Beneficência Portuguesa.

 

– Arrume um espaço na agenda para “visitar o banheiro”. “Fique pelo menos por 15 minutos todos os dias sentado no vaso. Mas nada de fazer força excessiva. Mantenha essa regra independentemente se irá evacuar ou não. Essa é uma forma de treinar seu intestino a trabalhar sempre no mesmo horário”, ensina Eduardo Berger.

 

– Caso nada disso funcione. Corra para o consultório médico. Talvez sejam necessárias doses de laxantes, principalmente na primeira fase do tratamento, até que seu organismo esteja reeducado.

 

 

Fonte: Terra Vida & Saúde 

Deixar uma Resposta »