A inflação e a rotina feminina. E agora?

Alessandra Quedi 16 de julho de 2008 2

Inflação e a rotina feminina. E agora?A última pesquisa por subitens do IPCA mostrou que as roupas femininas tiveram uma alta acumulada em 2008 – até junho – de 4,02%, os sapatos de 5,08% e jóias 1,29%. Além disso, os preços dos chamados Serviços Pessoais, que incluem manicure, costureira, cabeleireiro e depilação, tiveram alta de 4,90%. Parece pouco, mas está longe de ser.

Quem precisa desses serviços semanalmente já deve ter percebido que o nosso salão preferido já aumentou o preço do combo pedicure + manicure. E as botas para o inverno? Alguém se lembra do preço pago no modelo do ano passado? Nós mulheres sabemos que é muito difícil viver sem as unhas pintadas, botas de cano alto ou então não ter um peep toe.

Esse aumento mexe sim no nosso orçamento[bb], mas não é preciso se descabelar por conta disso – e ainda ter que pagar uma escova extra. A boa notícia é que existem várias opções para driblar os aumentos e ainda continuar fazendo o que mais amamos fazer. É lógico que para as mais afoitas um pouco de prudência será necessário.

Eliana Bussinger compara, em seu livro “Dieta do Bolso”, as dietas com as finanças pessoais. É uma ótima comparação porque ela usa exemplos mais fáceis de entender. Neste livro ela lista diversas situações nas quais podemos economizar, tanto em calorias quanto em reais.

O exemplo que eu achei ótimo foi quando ela diz que nós precisamos nos ocupar. Atire a primeira pedra aquela que não vai dar uma voltinha no shopping quando não tem nada para fazer. E a melhor opção de ocupação é fazer academia. Para surtir efeito, é necessário freqüenta-la ao menos 3 vezes por semana. Ou seja, o tempo livre foi ocupado e dois “problemas” são solucionados: perder peso e não ir ao shopping. Topa?

Desde que comecei a me interessar por finanças pessoais[bb] fui criando uma lista de alternativas para não gastar mais do que o meu orçamento permite e, assim, não entrar no cheque especial só por causa de um sapatinho. Veja algumas opções que fazem a diferença:

  • Manicure: aumento do intervalo. Normalmente fazemos as mãos a cada 7 dias e os pés a cada 14. Passar a fazer de 8 em 8 dias, no 2º mês de 9 em 9 e por aí em diante. Esqueça o dia preferido para pintar. Faça somente quando é necessário. Esmaltes claros geralmente duram mais.
  • Cabeleireiro: grandes redes de cabeleireiros geralmente têm uma universidade do cabelo. Ou seja, todo profissional deve passar por um treinamento de acordo com as regras da rede e faz com que o corte tenha uma “ciência”. Sim, os cortes duram mais. Faça o teste.
  • Roupas 1: só compre um item novo só depois de revirar o armário. A chance de achar um modelo parecido com o que desejamos é altíssima. Se não achar, apele para as amigas. Organize bazares onde todas as mulheres levam roupas que não usam mais para trocar. É uma ótima forma de diversão e economia.
  • Roupas 2: aprenda a customizar as peças. Aplicação de botões, rendas e bordados dão uma nova cara e custa bem pouquinho. Existem até ateliês que fazem isso.
  • Roupas 3: a internet é uma boa fonte de dinheiro. Em sites de leilões as pessoas compram e vendem peças usadas, de ótima qualidade, por preços muito abaixo das lojas. É muito fácil achar um casaco em ótima condição e ainda trocar por aquela bolsa que você não usa há décadas.
  • Sapatos: conheça um sapateiro de confiança. Esses profissionais podem fazer maravilhas com um sapato que não tem mais graça.

O essencial é sempre saber negociar e aprender a orçar. As lojas têm uma grande diferença de preços para peças semelhantes. É preciso abdicar de marcas específicas, abrir o leque de escolhas e esquecer coleções novas. As pontas de estoque são as melhores opções, pois dão descontos de até 70%. As lojas já viram que esse mercado é potencial e têm divulgado os endereços onde podemos comprar peças de coleções passadas.

Enfim, não é necessário esconder o cartão de crédito, estourar a conta corrente, chorar para o marido/namorado e ainda se sentir linda. O importante é conseguir perceber as alterações de preços e querer negociar[bb]. A minha última sugestão é criar uma planilha com todos os gastos com salão e shopping. Cada item comprado deve ser discriminado, assim como seu valor.

No final do ano some o valor total gasto em tudo isso. No primeiro momento será algo assustador, pois com certeza você não vai acreditar no valor, mas o exercício serve como lição para que no ano que vem esse valor caia, pelo menos, pela metade. Experimente.

——
Mariana Prates
é economista pela PUC-SP e pós-graduanda em Administração de Empresas pela FGV. Trabalha em precificação de Empréstimo em Folha e adora fazer planejamento financeiro para amigos e familiares.

Crédito da foto para stock.xchng

Fonte : dinheirama.com

2 Comentários »

  1. Alessandra Quedi 17 de julho de 2008 at 18:20 - Responder

    Muito bem Jonilson , ainda bem que existem homens como você, que concorda com nossos gastos, como tudo na vida tem um fundamento…ehehheheheh, legal seu site….abraços

  2. Jonilson Vallim 17 de julho de 2008 at 17:55 - Responder

    É preciso fazer um um bom planejamento para que o nosso bolso não sofra tanto. Há quem diga que deve ser feito um orçamento mensal a parte para as mulheres. Mas tem o lado bom disso tudo, elas se cuidam para que nós possamos admirá-las!

Deixar uma Resposta »