Inteligência emocional nos estudos

Alessandra Quedi 15 de fevereiro de 2012 0
Inteligência emocional nos estudos

Para que você alcance seus objetivos, cérebro e coração devem estar em equilíbrio. No texto a seguir, a especialista Nanci Azevedo Cavaco explica de que forma nosso estado emocional pode interferir nos estudos e como equilibrar os sentimentos para aprender mais e melhor.

Muitas pessoas que se preparam para concursos enfrentam um conflito interno enorme: à medida que têm de aprender diversas matérias e conteúdos, experimentam um estado emocional em “frangalhos”, destruído por todos os tipos de cobranças feitas por si mesmas e por terceiros.

Parte desse mal-estar deve-se à idéia de que estudar para concursos exige sacrifício e ponto. É como se não sofrer significasse não merecer. A incoerência entre o pensar e o fazer, com certeza, torna as ações delas confusas ou ainda insuficientes para a realização do que desejam alcançar. E a verdade é uma só: falta a elas inteligência emocional.

Passar em concursos requer tempo para estudar, é claro, mas isso não significa que você tenha que paralisar a sua vida como se houvesse dois mundos paralelos que não se misturam: um que é a sua vida com família, amigos, trabalho, e outro onde você é estudante preparando-se para concurso, isolado de tudo, sem ninguém, que se culpa se deixa de estudar um dia sequer. Esta dualidade, apesar de parecer uma forma de organização, cria um estado de estagnação que o impede de chegar de fato às suas conquistas.

Assim, o segredo para os resultados eficientes exige não apenas o esforço intelectual, mas também um estado de espírito prazeroso que desiniba a inteligência intelectual e a emocional. Sabe-se, com efeito, que as perturbações emocionais, como a ansiedade, o medo e a insegurança, inibem o intelecto. Aliás, quando você tem um pensamento de impossibilidade ou de uma simples dúvida de realização de algo, o cérebro interpreta essa ideia como um objetivo e, então, cria internamente as condições para que você possa sentir medo ou insegurança e o impede de conseguir aquilo que deseja. Afinal, sua dúvida gerou um conflito entre a idealização e o temor de não conseguir (sentimento de incapacidade). Quando há um conflito entre o pensamento e o sentimento, o segundo sempre ganha.

Toda atividade ou comportamento tem uma razão que a produz, baseada no passado ou no momento atual. Quando nos remetemos aos fracassos do passado, eles interferem nos resultados do presente; é como se reutilizássemos, no momento atual, os mesmos recursos contaminados com os resultados desfavoráveis. Dessa forma, aumentamos as chances de repetir os mesmos resultados, sejam eles negativos ou positivos.

Texto – Nanci Azevedo Cavaco

Deixar uma Resposta »